FUVEST: RESUMO DA OBRA ALGUMA POESIA

Capa do livro publicado pela editora Companhia das Letras

Segundo livro do autor lido para o Projeto Fuvest, logo, deixo o direcionamento do post da obra Claro Enigma, na qual eu abordei sobre o autor, contexto histórico e cultural, bem como estilo narrativo. Dá uma olhadinha primeiro lá e depois volta aqui!

SOBRE A OBRA

Alguma poesia foi o primeiro livro publicado por Carlos Drummond de Andrade em 1930. Nesta época, o Brasil vivia a revolução, na qual fez com que Getúlio Vargas subisse ao poder e deixava para trás os traços da tida “primeira república”.

Na seara literária, Manuel Bandeira lançava sua obra consagrada Libertinagem, Murilo Mendes publicava também seu livro Poemas e Rachel de Queiroz, nos apresentava a obra O Quinze.

Em 1930, Carlos Drummond contava com seus vinte e oito anos vividos, já não mais morava em sua cidade natal Itabira, sendo a capital Belo Horizonte sua morada.

Através de cartas trocadas entre Mario de Andrade e o autor, nós descobrimos que a ideia de “Alguma poesia” surgiu em 1924, todavia, a mesma só veio a ser publicada em 1930, isto é, na transição da primeira (1922 a 1930) para a segunda (1930 a 1945) fase do modernismo.

Nota-se que, apesar do autor de ter começado sua obra poética em 1920, o mesmo não é considerado um dos Heróis do Modernismo, como Tarsila do Amaral e Mario de Andrade, sendo a este último dedicada a obra “Alguma Poesia”.

Carlos Drummond de Andrade é então, considerado um dos representantes da produção literária correspondente à segunda fase do modernismo (chamada Geração de 30), tendo em vista as características da sua escrita se assemelharem mais com esta fase.

Sobre o modernismo cumpre ter em mente que, a produção literária da época, era voltada para a busca do elemento nacional – o ethos – que representasse uma universalização da cultura brasileira.

A obra é formada por quarenta e nove poemas, o que nos mostra que o seu título “Alguma Poesia” pode ser visto como despretensioso ou até mesmo contraditório, pois ao lermos a coletânea, nós acompanhamos um lado mais denso, profundo, sensível e pessoal de Drummond.

Ressalto que tal enfoque pessoal não é tão vislumbrado nas demais obras do autor, tendo em vista que em outros poemas de sua maturidade nós identificamos mais questões políticas e sociais, como acontece em Claro Enigma, por exemplo.

Ademais, os poemas não possuem um padrão métrico costumeiro, como por exemplo no poema A rua diferente. Saliento o posto aqui do blog e leitura obrigatória para Fuvest, Poemas escolhidos de Gregório de Matos, no qual eu abordo mais sobre o sistema métrico dos poemas.

Na verdade, em Alguma Poesia há uma reunião de vários estilos, desde poemas curtos/pílula como em cota zero; versos sem rima como poder ser visto no poema denominado Poesia.

Ademais, o autor em seus escritos não se utiliza de uma linguagem rebuscada, como a obra do nosso representante barroco acima citado, mas é presente o uso de uma linguagem coloquial, a abordagem de temas corriqueiros, espontâneos e com bom humor (poemas-piada), como por exemplo no poema cidadezinha qualquer.

Vislumbra-se ainda que, há alguns poemas na obra que são dedicados a amigos e contemporâneos do autor, como é o caso dos poemas Europa, França e Bahia, dedicado a Mario de Andrade e Jardim da Praça da Liberdade, dedicado a Gustavo Capanema, amigo de infância, de carreira política e de serviço público no Rio de Janeiro.

POSSÍVEIS QUESTÕES PARA O VESTIBULAR

Indico, como sempre, a leitura da obra, a fim de analisar os sentimentos do autor inseridos no poema.

Veja, nenhum vestibular irá cobrar que você decore o poema, mas sim que você entenda o contexto histórico e cultural, no qual ele foi escrito; se o poema possui características de intertextualidade (citação de outras obras dentro do poema), metalinguagem (linguagem que descreve sobre ela mesma).

Por fim, acho que quando se trata da cobrança de textos poéticos, vale a pena investir na resolução de questões. Aliás, essa é a minha dica para todas as matérias!!

SOBRE A MINHA EXPERIÊNCIA DE LEITURA

Sim…ainda continuo não sendo uma grande apreciadora de poesia e entre as duas obras exigidas na Fuvest, eu ainda fico com a obra Claro Enigma.

Todavia, minha preferência não afasta a apreciação da genialidade e leveza na escrita do autor, o que me faz entrar numa espiral na qual eu não sou uma grande fã de poesia, mas continuo lendo o gênero.

DICAS DE MAIS CONTEÚDO SOBRE A OBRA

Site: https://jornal.usp.br/cultura/em-alguma-poesia-sujeito-poetico-e-chave-para-observar-o-brasil/

Site: https://www.guiaestudo.com.br/alguma-poesia

Canal Leio, logo escrevo: https://www.youtube.com/watch?v=Xsf4ThxHQ6U

Um beijo e até o próximo post!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: